Gospel Prime Noticias Gospel Musicas Gospel Videos Gospel Letras Gospel Cifras Gospel Biblia Online Estudos Artigos

O Que é Apologética?

por · abril 27, 2015

Por Zwinglio Rodrigues

O Que é apologética? A palavra vem do grego apologia que significa “defesa”. A palavra grega é usada nesse sentido em 1ª Pedro 3:15: “Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vossos corações, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós.” O termo está traduzido por “responder”, porém, ficaria melhor traduzido por “defesa verbal, discurso em defesa”. Nesse sentido, o apóstolo insta com seus interlocutores para que apresentem respostas inteligentes e racionais a seus inquiridores defendendo a fé. Esse exercício é chamado de apologética cristã. Por intermédio desta tenta-se defender o teísmo cristão apresentando evidências a seu favor. Apologética é um termo usado em contraposiçãoa a polêmica, termo este que se ocupa com debates envolvendo cristãos desejosos de fincarem uma posição a respeito de uma determinada questão específica.

Jesus foi um apologista? Sim! E seus apóstolos também. Em João 14:11 Jesus apela para suas obras no propósito de mostrar que suas alegações radicais (ex.: sua divindade) eram verdadeiras. Em Atos 17, Paulo argumenta apologeticamente usando a filosofia na tentativa de convencer os atenienses. Outro exemplo pode ser encontrado no capítulo um da epístola aos Romanos. Nele, Paulo mostra aos pagãos a total falta de condições deles em se defender diante de Deus. O apóstolo esclarece que apenas com base na revelação geral o homem pode ter a certeza da existência de Deus. Embora muitos cristãos torçam o nariz para a apologética dizendo que basta a pregação do Evangelho e a obra do Espírito Santo para convencer pessoas, o fato é que o Novo Testamento está repleto de apologistas e apologias. Não apenas o NT, mas também o AT (Is 44 e 45; Am 1 e 2). Trabalhar com evidências em favor da verdade não deve espantar a nenhum cristão.

Após a morte dos apóstolos, a história da igreja entra numa fase chamada patrística. Nesse período surgem os primeiros pais da igreja denominados de apologistas. Eles defenderam a fé e a Igreja contra incursões de movimentos judaizantes, pagãos e da filosofia grega. Dentre os apologistas, cito Justino Mártir, Atenágoras, Tertuliano e Irineu de Lion. Este, por exemplo, combateu o poderoso gnosticismo de seu tempo escrevendo a obra Contras as Heresias.

Dando um salto histórico, chegamos a Tomás de Aquino que fora um apologeta refinado. No confronto com deístas e racionalistas, encontramos o bispo anglicano Joseph Butler[†]. Em nosso tempo temos William Lane Craig (adepto do método abordagem clássica), apologista que tem atormentado os chamados neo-ateus. Dentre esses se destacam o neurocientista Sam Harris, o filósofo Daniel Dennett e o biólogo Richard Dawkins que, por sua vez, tem fugido de debates com Craig assim como o diabo foge da cruz. Temos Gary Habermas (método evidencialista), Paul Feinberg[†] (método caso cumulativo), Cornelius Van Til[†] (método pressuposicionalista) e Alvin Plantinga (método epistemologia religiosa).

Ao longo de sua história a Igreja sempre defendeu sua fé das críticas e dos equívocos. Ela esteve em batalha contra o gnosticismo, agnosticismo, ateísmo, positivismo, relativismo, niilismo, etc., e, atualmente, se vê às voltas no embate com cosmovisões modernas como o marxismo, o feminismo, o materialismo científico e o pós-modernismo. Historicamente a Igreja nunca deixou de se articular dando à apologética esse caráter de ramo da teologia imprescindível.

Constituem temas da apologética cristã a existência de Deus, a natureza dos milagres, a coexistência de Deus e o sofrimento, a relação entre fé e filosofia, a amplitude do valor da teologia natural, entre outros.

Abaixo elenco pontos importantes relacionados à apologética cristã.

A apologética cristã não consiste em bate-boca. Argumentar em defesa da fé cristã exige doçura quanto a forma e a entonação. Asperezas nada têm a ver com diálogos saudáveis e produtivos.

A apologética cristã serve para fortalecer os que creem.

A apologética cristã é um recurso que deve ser usado de modo hábil pelo apologeta. Saber fazer relações com vidas e o mundo contemporâneo é condição sine qua non.

A apologética cristã precisa ser criativa e eficaz.

A apologética cristã exige do apologeta a capacidade de ouvir antes de falar.

A apologética cristã eficaz é árdua.

A apologética cristã pode influenciar a cultura.

A apologética cristã serve para ganhar os incrédulos. Ela é eficaz no evangelismo.

A apologética cristã levada a efeito obedece à vontade Deus.

A apologética cristã destrói mentiras, falácias e sofismas.

A apologética cristã defende o cristianismo ortodoxo.

A apologética cristã faz a pessoa se recordar que sua fé não está fundada em emoções.

A apologética cristã pode corrigir rotas dentro do próprio movimento cristão.

A apologética cristã pode tudo isso e muito mais. Porém, seu calcanhar de Áquiles, ou, sua limitação, consiste no fato dela não produzir fé. Ao apontar acima seu potencial para ganhar o incrédulo não estava dizendo que ela produz fé. Desejei dizer que a apologética cristã cria um ambiente favorável à fé; um contexto onde é possível o “salto de fé”.

Relacionados

Categoria * Geral *, Apologética